Copy

O projeto Nutricap, desenvolvido pelo CEB, foi distinguido com o Prémio Food & Nutrition Awards 2015 for Research & Development, entregue durante uma cerimónia na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.  

O Nutricap prevê o desenvolvimento de uma tecnologia que permita aumentar o valor nutricional dos alimentos. Esta tecnologia poderá ser utilizada para encapsular compostos bioativos e funcionais em estruturas muito pequenas (micro e nano-hidrogel) que podem depois ser adicionados à comida. O objetivo é dar ao consumidor, cada vez mais exigente, produtos saudáveis e nutritivos.

Sofia G. Meirinho e Lígia Rodrigues, duas investigadoras do CEB, são coautoras do artigo publicado na edição de setembro da revista Biosensors & Bioelectronics com o título “Desenvolvimento de um RNA - aptasensor para detetar osteopontina humana”.

Os resultados obtidos até ao momento apontam para a possível criação de uma nova solução que poderá vir a ser utilizada no prognóstico de cancro. Fique a conhecer esta investigação.

O CEB está, atualmente, a coordenar o projeto europeu FOLSMART, num consórcio com nove parceiros de cinco países europeus, que tem como objetivo implementar um novo tratamento mais eficaz e vantajoso, com efeitos colaterais mínimos, para uma doença crónica muito comum a nível mundial. 

“Prevemos alcançar maior qualidade e esperança de vida para os doentes que sofrem de Artrite Reumatóide”, referiu o Professor Artur Cavaco-Paulo, investigador do CEB. O projeto foi notícia no Diário do Minho e no Correio do Minho.

A celulose é uma substância existente na maioria dos vegetais e plantas sendo responsável por lhes conferir rigidez e firmeza. É utilizada na fabricação de papel, plásticos, vernizes, filmes, seda artificial e diversos produtos químicos. 

Por isso, os grupos FUNCARB e B-Factory do CEB têm vindo a procurar uma alternativa à utilização de enzimas na modificação de fibras de celulose de pasta de papel. 

Num artigo recente mostrou-se a capacidade de CBM obtido de forma recombinante na modificação de propriedades de fibras de celulose.

Sabia que a investigação do CEB está distribuída por três linhas temáticas interdisciplinares que cobrem as escalas molecular, celular e processo? 

As linhas são Biotecnologia e Bioengenharia Industrial e Alimentar; Biotecnologia e Bioengenharia Ambiental; e a Biotecnologia e Bioengenharia para a Saúde.

Além disso, dentro do CEB existem sete diferentes grupos de investigação de forma a cobrir estas linhas: AMG, B.Factory, BBRG, BIOFILM, BIOSYSTEMS, BRIDGE e FUNCARB. 

Está curioso?

Facebook
Facebook
Twitter
Twitter
Google Plus
Google Plus
LinkedIn
LinkedIn
Pinterest
Pinterest
Tumblr
Tumblr