Copy
A 31ª newsletter do RelevO: emaranhado de ratos, skatista doidão e o cadáver mais participativo da Segunda Guerra Mundial
Veja esse email no browser
edição #31 – 22 de março de 2016
editor Mateus Ribeirete  editor-assistente Dino Spumoni
projeto gráfico Marceli Mengarda   revisão Daniel Zanella
BOM DIA, leitor da Enclave — a newsletter com doutorado honoris causa em mais de três padarias.  

O Jornal RelevO de março está disponível aqui. Já a edição especial de escritoras da geração beat pode ser conferida neste link. Que mês!
 
***
 
Rodopios mentais:

– Charles Mingus morreu de esclerose lateral amiotrófica.
– Conan O'Brien, o apresentador engraçado, formou-se em Harvard. Sua tese analisava a literatura de William Faulkner e Flannery O'Connor, relacionando seus respectivos personagens infantis, prematuramente velhos, com a doença de
progéria.
– Entre os jogadores de futebol com nomes interessantes, nenhum supera o holandês Jan Vennegoor of Hesselink. Se soa como um cavaleiro, não é por acaso: "of" é simplesmente "ou" em holandês, e a linhagem Vennegoor "ou" Hesselink se deve ao ego de duas famílias nobres que não queriam abrir mão do sobrenome.
– Uri Geller, ícone do charlatanismo, já processou a Nintendo porque o Pokémon psíquico 
Kadabra era, supostamente, uma referência negativa a ele.
– Talvez Jimmy Floyd Hasselbaink e Pierre van Hooijdonk, ambos holandeses, disponham de nomes tão interessantes quanto Jan Vennegoor of Hesselink.
– "Togo Renan Soares (1906 —1992), mais conhecido como Kanela, foi um treinador de basquetebol, futebol e pólo aquático brasileiro".

Ground control to Major Bill... Ground control to Major Bill...
 
#1 Em momentos críticos da Segunda Guerra Mundial, soldados do Eixo encontraram o cadáver do capitão Bill Martin, galês que servia aos Aliados. O ano era 1943, e o corpo, morto por hipotermia após queda de avião, boiava a costa da Espanha no início de maio. Com ele, documentos e cartas autenticadas revelavam os planos de invadir a Grécia, ao invés da Sicília. Tamanha revelação alertou o Eixo, que àquela altura se preocupava com a possibilidade de que seus inimigos visassem à Europa continental por meio da bela ilha italiana, um objetivo bastante óbvio dos Aliados. Dessa forma, o Hitler & cia. se espertaram, dirigindo um total de nove mil soldados para Grécia e as ilhas de Córsega e Sardenha.

Poucas cagadas militares em toda a história das guerras corresponderam a tamanha cagada militar. 

"Bill Martin", pois, era apenas um indigente galês chamado Glyndwr Michael, morto havia meses graças à ingestão de veneno para ratos. Conservado em gelo, seu corpo foi utilizado pela inteligência britânica em um dos truques mais bem sucedidos da história. O Eixo, pois, deixou a Sicília desprotegida para os Aliados, que não só dominaram a ilha – exercendo ampla pressão sobre Mussolini –, como evitaram inúmeras mortes entre seus soldados.

O plano, orquestrado meticulosamente por
Charles Cholmondeley e Ewen Montagu, passou por um detalhamento extremo: cada centímetro do personagem foi elaborado de forma a passar credibilidade, da identidade provisória que carregava – um sinal de desleixo – às cartas de amor para uma namorada cuja fotografia, inclusive, acompanhava-o na carteira. Também havia uma carta do pai, outra do banco, entradas para o teatro e diversos outros papeis que, enfim, indicam normalidade. Sua morte havia até sido oficializada nos jornais.

Para fortalecer a história, órgãos britânicos declararam busca incessante pelo corpo, tão logo exigindo o retorno das cartas que seu capitão carregava. A costa da Espanha não foi escolhida por acaso. Apesar de oficialmente neutro, o país de Franco abrigava diversos colaboradores do Eixo, e as proximidades de Huelva, no sul do país, recebiam atenção do espião nazista Adolf Clauss.

Chamada de Operação Mincemeat, a empreitada determinou o êxito da
Husky, que precisou de seis semanas para ser concluída. Os Aliados tinham, enfim, domínio da Sicília, adquirindo um ponto logístico e moral inestimável.
 

Aliados e um piloto nazista morto, não nessa ordem
#2 Além de esporte, o skate é um modo de expressão do skatista. Pois, diferenciando-se das modalidades vertical e do street, há também o freestyle, no qual o atleta é, bom, livre para usar a sua prancha como quiser. Seguindo essa definição, não existe hoje ninguém mais freestyle do que este cara:
 
Richie Jackson, o skatista mais autêntico do mundo
 
O que Richie faz com um skate – e com tudo o mais que ele encontra por aí – parece ser fruto de um esquisito fluxo de consciência. Placas, escadas rolantes, escadas não-rolantes, correntes: tudo pode ser instrumento de suas manobras. O modo como ele interage com o meio faz questionar o que é uma manobra de skate e, mais importante – como ele pensou nisso?
 
Aparentemente, ele tem um caderno onde anota ideias de manobras. Algumas estúpidas e completamente não práticas. Mais do que cair em grandes drops ou deslizar em corrimãos imensos, o neozelandês diz preferir reinterpretar as pequenas coisas em seu próprio bairro.

 
 
Fã de Rodney Mullen, Jackson visivelmente incorporou o estilo do ídolo em sua prática e faz questão de pensar fora da caixa. O curioso é que Richie é tão diferente do resto do mundo do skate que ele não tem "herdeiros" ou seguidores; não há simplesmente ninguém capaz de replicar o que ele faz. Assim, Richie Jackson segue numa categoria à parte, soberano com suas roupas dos anos 1970, seu bigode cuidadosamente arrumado com gel e seu skate alternativo.


Essa última valeria milhares de pontos no Tony Hawk's Pro Skater 2

[Obrigado, Felipe Leite!]

#3 As cidades de Newcastle Upon Tyne e Sunderland, no nordeste da Inglaterra, estão a apenas 17 km de distância uma da outra e são rivais históricas. Já no século 17, na Guerra Civil Inglesa, os municípios discordavam entre si. Newcastle defendia a monarquia, enquanto os mackem apoiavam o parlamentarismo. Essa rixa seguiu durante as guerras religiosas dos séculos seguintes e persiste até hoje. Há 130 anos, em 1883, as equipes de futebol do Newcastle United FC e do Sunderland AFC se encontraram pela primeira vez no que viria a ser um dos embates mais tensos e emblemáticos do futebol inglês, o Dérbi de Tyne-Wear, nome que faz referência aos dois rios que passam pela região, o Tyne e o Wear.


De um lado, os Black Cats. De outro, os Magpies

Muito mais do que um clássico do esporte, esse jogo sempre representou o orgulho local, e já foi palco de alguns acontecimentos curiosos. Em 1901, numa sexta-feira santa, mais de 70 mil torcedores compareceram ao estádio que comportava 30 mil pessoas. Apesar dos esforços dos 25 (!) policiais presentes, o público continuava entrando, inclusive dentro do gramado, e o jogo teve de ser adiado para o desgosto e a fúria de todos. Da virada do século até a segunda Guerra Mundial, ambos os clubes figuravam entre os grandes do país, disputando frequentemente o título nacional. Desde então, o único título da dupla foi uma Copa da Inglaterra, em 1973, pelo Sunderland.
 


Na virada do século 20, o clássico já atraía multidões

Em 1990, os times se encontraram num mata-mata para decidir quem subiria para a primeira divisão. O jogo de ida, em Sunderland, terminou em 0 a 0. Na segunda peleja, o Newcastle perdia em casa por 2 a 0 quando, no fim do jogo, torcedores começaram a invadir o gramado e depredar o campo – inclusive derrubando uma das traves – na esperança de que a partida fosse cancelada, e o resultado, revertido. Claro que essa estratégia falhou, e que a equipe sofreu duras sanções. Torcedores do time adversário foram banidos do clássico durante os anos 1990, até que uma ação conjunta das duas torcidas acabou com a restrição. Mesmo com as equipas sendo menos relevantes do que outrora, o clássico nunca perdeu a sua grandeza e seu clima tenso. Até hoje é o jogo mais esperado da temporada para boa parte dos fãs do balípodo.

No último domingo (20/03), ocorreu o jogo de numero 155 entre os dois, que no momento lutam contra o rebaixamento. O empate por 1 a 1 não ajudou muito nenhum deles, mas nem por isso deixou de ter momentos memoráveis, como o
gol de empate de Mitrovic e sua comemoração com um torcedor que invadiu o gramado. Como se não bastasse, o sérvio ainda sofreu uma concussão e ficou desacordado em campo. Ao receber atendimento, quis contrariar as recomendações e brigou com os médicos, insistindo, claramente alterado, para continuar jogando. Além disso, foram feitas rotineiras 20 prisões por má conduta ao redor do estádio. Normal para um dia tão acalorado.

 


Mitrovic comemora seu gol com um fã que invadiu o campo


— O saldo total do dérbi é de 53 vitórias para cada lado, além de 49 empates. E-QUI-LÍ-BRIO.
— Este vídeo de 10 minutos mostra a movimentação dos torcedores em um dos clássicos mais marcantes dos últimos tempos, o 5 a 1 do Newcastle em 2010. A comemoração dos gols ilustra bem a catarse e a loucura envolvidas num jogo desses. 
— Two Tribes, um documentário deliciosamente noventista da BBC sobre o Clássico.

#4 Se você tem nojo de ratos, não olhe a imagem acima. Opa, não é assim que funciona? Bom, tarde demais. Apresentamo-lhes RAT KING, o Rei dos Ratos – que também atende por Olha Essa Porra!!!, provavelmente. Infelizmente para os pequenos roedores, não se trata de um megazord do Mickey, e sim de uma união involuntária de caudas, por sua vez entrelaçadas em algum canto apertado e frio, cheio de fezes e sangue.

Fenômenos de rat king datam de
vários séculos, quando ratos-pretos eram mais comuns na Europa do que seres humanos lavados. Indicavam mau presságio, e não é difícil entender por quê. A foto acima, aliás, é do maior já encontrado entre eles: são 32 pequenos elementos mumificados em um museu de Altemburgo, Alemanha, país onde mais se formaram rat kings. Apesar de raros – a ratazana não é tão sujeita ao problema quanto o rato-preto –, ainda há casos registrados, como um de 2005, na Estônia.



O Editor viu esse aqui em Maastricht, Holanda

Livro de Cortázar com nome de posição sexual;
Relações entre David Bowie e ficção científica;
Belos chiliques nacionais;
Ex-integrante do Steppenwolf ou ________?;
Jogadores de futebol com nome de dramaturgo;
Coisas e pessoas que confundimos;
Disco do Iron Maiden ou livro de Nicholas Sparks?;
Jogadores de futebol com nome de Pokémon;
Peculiaridades de Arnold Schwarzenegger;
Frase do Augusto Cury ou invenção nossa?;
Melhores frases atribuídas a Bob Marley ao digitar 'frase Bob Marley' no Google Imagens
"Também retorno de Zirma: minha memória contém dirigíveis que voam em todas as direções à altura das janelas, ruas de lojas em que se desenham tatuagens na pele dos marinheiros, trens subterrâneos apinhados de mulheres obesas entregues ao mormaço. Meus companheiros de viagem, por sua vez, juram ter visto um dirigível flutuar entre os pináculos da cidade, somente um tatuador dispor agulhas e tintas e desenhos perfurados sobre a sua mesa, somente uma mulher-canhão ventilar-se sobre as plataformas de um vagão. A memória é redundante: repete os símbolos para que a cidade comece a existir."
 
Italo Calvino, Cidades Invisíveis, 1972.
01101110 01100001 01100100 01100001 00100000 01100100 01100101 00100000 01101110 01101111 01110110 01101111 

01100001 01100011 01101000 01101111 00100000 01110001 01110101 01100101 00100000 01101010 01100001 00100000 01100110 01101001 01111010 01100101 01101101 01101111 01110011 00100000 01100101 01110011 01110011 01100001 00100000 01110000 01101001 01100001 01100100 01100001

01100001 01101100 01100111 01110101 01100101 01101101 00100000 01101101 01100101 00100000 01100001 01101010 01110101 01100100 01100101 
 
Enclave é a newsletter quinzenal do Jornal RelevO. Se você recebeu esse e-mail, é
porque aderiu ao nosso mailing ou está em nossa lista de contatos por algum motivo racionalmente explicável — muito provavelmente por assinar o RelevO.

Se não quiser mais receber nossos e-mails, você pode remover sua assinatura clicando aqui 
ou alterar suas preferências neste link. Prometemos, porém, não trazer nenhum textão do Facebook
para a sua lista de e-mails, muito menos usá-la para outros fins — a não ser que nos ofereçam dinheiro por isso. Brincadeira, ninguém nunca nos oferece dinheiro para nada.

Você pode ler todo o arquivo do jornal aqui.
IssuuFacebookTwitter