Copy
Edição #102, 11 de novembro de 2021
Veja este email no navegador
Espionagem: Philby, le Carré, Macintyre, Cumberbatch; A Arte da Prudência.
editada por Mateus Ribeirete


ENCLAVƎ
 
EDITORIAL
Bom dia, Mateus Ribeirete!

Esta é a edição #102 da Enclave, a newsletter atrasada por se sentir anterior às fronteiras.
 
  • Em nossa última edição (#101), comentamos Duna: leia aqui.
  • A edição de novembro do RelevO já foi finalizada, impressa e enviada.
  • Por sua vez, a edição de outubro está disponível em nosso site.
  • Vale sempre lembrar: o arquivo da Enclave pode ser fuçado, esmiuçado e escrutinado a qualquer momento neste link.
HIPERTEXTO
Espionagem; traição; adaptação
 

Selo soviético em homenagem a Kim Philby, o traidor (muito) inglês.
 
1. O livro A Spy Among Friends, de Ben Macintyre, vai se tornar uma minissérie estrelada por Guy Pearce (L.A. Confidential; Memento) e Damian Lewis (Billions; Era uma vez em Hollywood).

2. Nunca publicado no Brasil, A Spy Among Friends é um belo livro. Trata do agente duplo Kim Philby (mais sobre ele logo abaixo) e de sua amizade com Nicholas Elliott. Ambos eram espiões do MI6 durante a Guerra Fria. Portanto, a notícia é animadora.

3. Já usamos um trecho de Agente Zigzag, do mesmo autor, na Enclave #78. Este cobre a história de Eddie Chapman, agente duplo durante a Segunda Guerra Mundial – e foi publicado no Brasil pela Record, em 2010. Chapman era um marginal beberrão e picareta extremamente ativo: todas esses traços o transformaram em um grande espião a serviço dos Aliados, enganando o serviço secreto alemão com consistência. Agente Zigzag também é um baita livro de não ficção.

4. Também já tratamos de outro livro de Macintyre na Enclave: Adam Worth: O Napoleão do Crime, publicado no Brasil pela Companhia das Letras, em 2000. Worth foi um ladrão absoluto – não só o Napoleão, mas também o Pelé do crime. Brilhante, calculista e incrivelmente não violento, ele estendeu seu portfólio de atividades irregulares a diversos países ainda no século 19, inspirando o prof. Moriarty de Arthur Conan Doyle. Detalhamos a trajetória de Adam Worth em duas partes: 1 e 2. Naturalmente, consideramos O Napoleão do Crime outro ótimo livro.

5. Agora sim, de volta a Kim Philby. A sua história é uma das mais espetaculares do século 20, afinal Philby é um dos maiores traidores da história. Também já a detalhamos neste enclave, mais especificamente na edição #15. Com o perdão do autoplágio:

Nascido na Índia quando essa ainda atendia por Índia britânica, Kim Philby foi um espião dos mais altos rankings da inteligência britânica. Não à toa, ele se tornou cavaleiro ao receber um OBE na década de 1940, com apenas 34 anos.

Servindo ao MI6 por décadas, Philby chegou perto de se tornar o diretor da instituição. Problemas internos o fizeram se demitir do serviço de informações em 1951, quando passava por forte investigação por parte de seus colegas, além do MI5. Somente nos anos 1960, foi confirmada a temerosa suspeita de que Kim Philby havia sido, por todo esse tempo, um agente duplo que servia tanto à KGB quanto ao NKVD.

Por décadas, ele comprometeu colegas, missões e supostos amigos.
 

6. A trajetória de Philby (e dos "Cambridge Five") exclama por uma adaptação digna. Se a minissérie anunciada dará conta disso, não sabemos; mas o ânimo é justo. Desde que li A Spy Among Friends, torcia para que alguma produtora endinheirada abraçasse a tarefa.

7. Sobre espiões na Guerra Fria, O Espião Inglês (The Courier) foi finalmente lançado este ano, após uma leva de atrasos por conta da pandemia. Dirigido por Dominic Cooke e estrelado por Benedict Cumberbatch, o filme se ancora na história real de Greville Wynne, empresário-tornado-espião que chegou a ser descoberto – e preso – pela KGB. No momento, está disponível no Prime Video. É um belo filme, ao menos para quem se anima com a temática.

8. Curiosamente, O Espião Inglês é o terceiro filme em que Cumberbatch se envolve com espionagem – que eu me lembre. N'O Jogo de Imitação (2014), no qual interpreta Alan Turing, inclusive, há uma mistureba narrativa com os espiões-traidores de Cambridge, nesse caso envolvendo John Cairncross ("mistureba narrativa" porque, ao contrário do que o filme retrata, a relação de Cairncross com os soviéticos só viria a ser descoberta muito depois da Segunda Guerra).

9. O outro filme? Nada menos que O Espião que Sabia Demais (Tinker Tailor Soldier Spy, 2011), uma beleza contemplativa – ou seja, lenta – adaptada do romance homônimo (1974, publicado no Brasil pela Record, 2012) de John le Carré (1931-2020), uma lenda da narrativa de espionagem. Como se sabe, ele próprio foi um agente do MI5 e do MI6 nas décadas de 1950 e 1960. O Espião que Sabia Demais (tanto filme como livro) aborda a espionagem de maneira muito mais realista, característica típica da obra de le Carré.

10. A carreira de John le Carré na espionagem foi destruída por conta da traição de... Kim Philby. A Spy Among Friends deve estrear no segundo semestre de 2022.
 

Um fato bônus e perifericamente relacionado: encontrei o livro abaixo, de 1946, capa dura, extremamente conservado, por R$ 22,61. W. Somerset Maugham (1874-1965) também trabalhou no serviço secreto inglês, mas ao longo da Primeira Guerra Mundial. O Agente Britânico (Ashenden: Or the British Agent), parcialmente autobiográfico, foi publicado em 1927.
 
BAÚ
Baltasar Gracián

123. Não ser afetado.
Quanto mais talento, menos afetação. Trata-se de um defeito vulgar, que desmerece e é tão maçante aos outros quanto é incômodo a quem a pratica. Faz-nos sofrer de preocupação, pois é um tormento ter de manter as aparências. As maiores qualidades perdem seu mérito por causa da afetação, pois serão julgadas como sendo fruto do artifício em vez de uma graça natural, e o mais agradável do que o artificial. Os afetados serão tidos como fatos dos talentos que afetam. Quanto melhor você é em algo, mais deve ocultar seus esforços, de modo que a perfeição pareça a ocorrer naturalmente. Não se deve, tampouco, para fugir da afetação fingir não tê-la. O homem prudente não deve nunca demonstrar mais que conhece os próprios méritos; a displicência desperta a atenção dos outros. Duplamente grande é quem tem todas as qualidades, mas nenhuma em sua própria opinião. Percorre seu próprio caminho até chegar ao aplauso.

(...)

136. Ir ao âmago das questões.
Tomar logo pulso dos negócios. Muitos se perdem nas árvores mas não atinam com a floresta, ou põem seus esforços a perder, falando sem parar, argumentando inutilmente, sem atingir o cerne da questão. Dão voltas e mais voltas, cansando a si mesmos e os outros, e nunca chegam ao que importa. Têm entendimento confuso, não sabem como desemaranhar. Desperdiçam tempo e paciência naquilo que deveriam deixar de lado, e depois não há mais tempo para o que deveriam fazer.

(...)

138. Não se intrometer.
Principalmente quanto mais agitadas estiverem as ondas do social ou familiar. O convívio humano tem seus tumultos, suas tempestades de vontade; em tais ocasiões é sensato retirar-se para um porto seguro e deixar as ondas se acalmarem. Os remédios muitas vezes pioram os males. Deixe agir a natureza ali, e a moralidade aqui. O médico experiente sabe quando prescrever ou não o medicamento, e às vezes a sabedoria consiste em não aplicar remédios algum. De vez em quando, dar de ombros é uma boa maneira de debelar tormentas vulgares. Dando agora tempo ao tempo, será vencedor depois. Basta um pouco para turvar as águas de um regato, que não voltará a ficar limpo com tentativas, mas deixando-o em paz. Não há remédio melhor para a confusão do que deixá-la seguir seu curso, terminando assim por si mesma.
 
Baltasar Gracián, A Arte da Prudência, 1647 (Sextante, 2003).
CARTAS
Está gostando da newsletter? O que mais te atrai? O que menos te interessa? Tem alguma sugestão de tema ou gostaria de escrever para nós? Gostamos muito de receber comentários sobre a Enclave: envie o seu! Basta responder a este e-mail. Se nosso conteúdo te despertou qualquer estalo ou acendeu alguma história pessoal, compartilhe-a conosco.
LATITUDES
A Enclave não é o único subproduto do Jornal RelevO! Também nos esbaldamos com a Latitudes, newsletter mensal exclusiva para assinantes do jornal. Editada pela jornalista Amanda Andrade, a Latitudes é voltada para concursos literários, editais e cursos de literatura. Suas edições têm entre dez e 15 notas que reúnem as principais informações de cada proposta cultural. As notas são organizadas de acordo com os prazos de inscrição, do mais próximo ao mais distante em relação à data de envio da newsletter. Para recebê-la, assine o Jornal RelevO!
RELEVO
Se você não é assinante do Jornal RelevO e aprecia nosso conteúdo, considere assiná-lo! É barato (R$ 60 ao ano) e nos mantém funcionando, se você chama isso de funcionar. Aceitamos diversos métodos de pagamento: qualquer dúvida, basta responder este e-mail.
Enclave é a newsletter semanal do Jornal RelevO. Se você recebeu este e-mail é porque aderiu ao nosso mailing ou está em nossa lista de contatos por algum motivo – muito provavelmente por assinar o RelevO. Se não quiser mais receber nossos e-mails, você pode remover rapidamente sua assinatura clicando aqui, ou alterar suas preferências neste link. Não usamos seu e-mail para nenhum outro fim.
 






This email was sent to mribeirete@gmail.com
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
Jornal RelevO · Rua Marie Roxane Charvet, 283, Fazenda Velha · Araucária, PR 83705-074 · Brazil

Email Marketing Powered by Mailchimp